• mrsergiosilva cybersys

LGPD: Como são protegidos os dados pessoais no home office?

Com o aumento de pessoas trabalhando em casa e na maioria das vezes utilizando redes wireless, imagino que o risco de extração de dados e informações possa ser maior.


Em um escritório o ambiente pode ser controlado, os equipamentos e softwares de proteção e monitoramento concentram os protocolos de acesso da maioria dos funcionários.


Agora em um prédio residencial com dezenas de redes wifi, quais serão os riscos e vulnerabilidades ao acessar as plataformas de trabalho remoto e até mesmo os arquivos de dados e informações confidenciais.


Mesmo que os acessos aos servidores possuam proteção e segurança cibernética, não elimina a vulnerabilidade de uma rede sem fio doméstica, utilizada por um funcionário trabalhando remotamente.


Algumas empresas adotam a VPN (Virtual Private Network) sendo esta uma medida para diminuir o risco de extração de dados e invasão de acessos desconhecidos (hackers).

Assim como a COVID-19 o número de infecções e crimes digitais tem crescido de forma assustadora, causando muito prejuízo a milhares de pessoas e empresas.


Mas quais medidas podem ser adotadas para evitar este risco? Como as empresas podem se adequar a LGPD mediante a este novo cenário global que é o trabalho remoto?


Na busca da excelência as vezes não fazemos nada. Adotar ferramentas complexas podem custar muito caro e nem todas as empresas tem orçamento suficiente para se ajustar as regras impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados.


Algumas dicas simples porém importantes para aquelas empresas que não dispõe de muitos recursos tecnológicos e devem se adequar a LGPD:

  1. Crie procedimentos de proteção de dados e informações para o trabalho remoto;

  2. Faça uma inspeção, mesmo que remota, dos roteadores/modens utilizados pelos funcionários;

  3. Oriente seus colaboradores a utilizarem senhas fortes e se possível com dupla autenticação;

  4. Ao inspecionar os roteadores/modens oriente que as senhas de fábrica (admin) sejam substituídas pois o endereço ip: 192.168.1.1 é padrão para alguns fabricantes;

  5. Evite softwares não atualizados e sem suporte, como exemplo o Windows 7 entre outros, pois a proteção já não tem mais atualizações constantes;

  6. Se o uso da rede doméstica ficar lento por um período muito grande, verifique junto a operadora se o sinal está com problemas. Na maioria das vezes o intruso (hacker), monitora por um longo período antes de atacar.

Em breve a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) estará operando e não sabemos como serão abordadas as primeiras empresas que constatarem vazamento de dados pessoais.



10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo